*******

*******
A SAUDADE É A NOSSA ALMA DIZENDO PARA ONDE ELA QUER VOLTAR...

terça-feira, 29 de novembro de 2011

As raízes... os pés... a alma...


Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.
(Pablo Neruda) 


(Na imobilidade aparente de uma foto ensaiam os pés o caminho para a vida... ensaiam a curvatura, o deslizar dos primeiros milímetros, a sedução inocente do desejo recheado de amor fresco, hoje amor maduro, caminho que não foge debaixo dos pés... não sabia então conscientemente desse caminho, adivinhava-o na forma das palavras, suspirava-o e queria-o em preces pela noite fora e pela brancura dos dias... sonhava o teu olhar sobre esta foto, hoje sinto-o em calor quando tocas os meus pés pela manhã...)

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Àguas correntes, sonhos e vapores




"Na vida de um homem o seu tempo é apenas um momento, o seu ser um fluxo incessante, o seu senso uma fraca luz fugidia, o seu corpo uma presa de vermes, a sua alma um redemoinho inquieto, a sua sorte obscura, a sua fama duvidosa. Em resumo, tudo quanto é corpo é como as águas correntes, tudo quanto é alma como sonhos e vapores."


Marco Aurélio

"The world according to garp"

"Garp não tinha assunto que pudesse jorrar dele daquela maneira. A imaginação era mais díficil de se conseguir que a memória."


John Irving

domingo, 2 de outubro de 2011

Jeremy Brett; aka; Sherlock Holmes



"Holmes is the hardest part I have ever played — harder than Hamlet or Macbeth. Holmes has become the dark side of the moon for me. He is moody and solitary and underneath I am really sociable and gregarious. It has all got too dangerous".
Jeremy Brett

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

"Belarmino"



Belarmino (1964) é um documentário português de longa-metragem realizado por Fernando Lopes, sobre um pugilista de nome Belarmino Fragoso.
É um dos primeiros filmes da geração do Novo Cinema português, inspirado pela Nouvelle Vague francesa mas sempre fiel ao neo-realismo, cujo pioneiro no cinema português foiManuel Guimarães, na década anterior.
No caso de Belarmino, há marcas evidentes de Rocco e seus Irmãos (1960), de Visconti, no tema, no enquadramento social do problema, e de Chronique d'un été (1961) de Jean Rouch, na sua abordagem pelo documentário, pelo cinema directo com recurso à entrevista. É uma docuficção.
O filme estreou no cinema Aviz, em Lisboa, a 19 de Novembro de 1964

"No início dos anos 60, quando o movimento do Cinema Novo português tomava forma e iniciativa, muitas eram as vias delineadas pela geração de cineastas em ascensão. Apenas um ousou não fazer ficção e abordar o cinema-directo: Fernando Lopes com Belarmino (...). Traçando (via entrevista conduzida pelo jornalista Baptista-Bastos) o perfil do pugilista Belarmino Fragoso, é de Lisboa-cidade e da respiração acossada do País que este filme fala. Imagens secas, palavras rudes, ao diabo a verdade-mentira desse homem sózinho. A ambiência empapada e cinzenta dos lisboetas anos 60 está lá, engravatada e dispersa, anónima num destino emigrante pra levar porrada. Grades e música de jazz, em estilhaços gritados. Nem sonhos, nem ilusões, cansaço. E uma montagem que quer levantar voo e a realidade não deixa. Nem condoído nem exaltante: Belarmino é apenas um murro no estômago."

João Bénard da Costa, in Histórias do Cinema

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

What would I do without you?...


"Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.

há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência."

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Como tu me queres, eu me dou...



É assim que te quero, amor,
assim, amor, é que eu gosto de ti,
tal como te vestes
e como arranjas
os cabelos e como
a tua boca sorri,
ágil como a água
da fonte sobre as pedras puras,
é assim que te quero, amada,
Ao pão não peço que me ensine,
mas antes que não me falte
em cada dia que passa.
Da luz nada sei, nem donde
vem nem para onde vai,
apenas quero que a luz alumie,
e também não peço à noite explicações,
espero-a e envolve-me,
e assim tu pão e luz
e sombra és.
Chegastes à minha vida
com o que trazias,
feita
de luz e pão e sombra, eu te esperava,
e é assim que preciso de ti,
assim que te amo,
e os que amanhã quiserem ouvir
o que não lhes direi, que o leiam aqui
e retrocedam hoje porque é cedo
para tais argumentos.
Amanhã dar-lhes-emos apenas
uma folha da árvore do nosso amor, uma folha
que há-de cair sobre a terra
como se a tivessem produzido os nosso lábios,
como um beijo caído
das nossas alturas invencíveis
para mostrar o fogo e a ternura
de um amor verdadeiro.
Pablo Neruda

E como espuma do mar me dissolvo no teu corpo...

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Ich...

...bin nicht eine Berliner;

ich bin ein Frankfurter!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Light...

From within or from behind, a light shines through us upon things, and makes us aware that we are nothing, but the light is all.  
Ralph Waldo Emerson

segunda-feira, 25 de julho de 2011

A letter to Lucy...


My dear Lucy;

 You are right, but aiming in the wrong direction... The true competition in love doesn't come from other women; or other men, whatever the case; it comes from within the two people who are in love. And that's the competition that needs to be remove.

 No other woman or man can destroy the love between two people, only the creators can destroy the wonderful, powerful, intense and at the same time frail new love they designed with weaved hands and full hearts.

 For no love survives the struggle that comes between two lovers when one wants to be smarter, stronger, funnier, more powerful, more loved or just plainly in charge... both have to go up and down, be on top and at the bottom, be able to be weak and strong, love and be loved without fear of giving, even more than of taking; otherwise it's not love it's just loveless war...and no one should waste any time on such a ridiculous and sad situation.

 Some people do live like this; and they became nothing but puppets of themselves and the bearers of unhappy heavy souls... 

 "It takes two to Tango!", that's so true! How well you do it it's completely in your hands...

 So my dear Lucy, if you really are looking for love, forget about the world around you two and concentrate on the precious gifts that you can share with each other...and if there's nothing else to share, then just say goodbye and leave with a good memorie of something that once was beautiful... 

Yours truly,
Sílvia

P.S.: And please don't hit me for giving my opinion...


"All you really need is love, but a little chocolate now and then doesn't hurt."

Lucy Van Pelt
Peanuts
(Now with this I can more than completely agree dear Lucy!!!)

domingo, 3 de julho de 2011

Jetzt kann ich Fahrrad fahren!!!!

Jetzt fahre ich gern Fahrrad; jetzt fühle mich frei!
Jetzt keine Angst, nur das Vertrauen und Freude ...Vielen Dank meiner Lieber!!!!

Auch in diesen Tagen...


quinta-feira, 30 de junho de 2011

Again... and again... Fellini!!!




“There is no end. There is no beginning. There is only the passion of life.”

Neon...

...or the lights that make you feel like a dizzy, happy, melancholic child!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Books... Books... some more books...

"I have always imagined that Paradise will be some kind of library."

José Luis Borges




Comecei a ler quando tinha 5 anos; ainda antes de ir para a escola alguém me abriu as portas das letras e dos números antes sequer de eu perceber bem para quê precisava dessas coisas todas na cabeça; nunca lhe agradeci como devia ser e agora apercebo-me disso. 

Era uma miúda solitária, primeira filha, neta, sobrinha, os cuidados redobravam-se em atenções de que nem sempre se precisa; toda a gente tinha medo que me partisse e por isso nunca me deixavam brincar na rua, nem subir às árvores, a verdade é que os joelhos se esfolam na mesma e as cabeças racham-se, seja em casa, seja na rua; mas a solidão, este sentimento que só mais tarde percebi que se chamava assim, fazia-me viver num mundo de pessoas e sítios imaginados e inventados por mim, e que serviam para calar aquela moideira interior que ainda não tinha nome  e os risos dos outros putos que passavam lá fora em correria. Mas a verdade é que a calavam pouco...

Mas isto antes das letras... quando comecei a ler, sem ser só o bê-à-bá, quando as palavras se começaram a juntar em frases, que por sua vez se juntam em parágrafos e capítulos e livros e ideias e sonhos e caminhos e verdades imaginadas que são verdades do mundo; aí a moideira, a rai's parta da moideira, foi à sua vida, provavelmente para atormentar outras e outros, que esta moideira é uma sacana que não desiste!

Aí comecei a devorar livros como quem come bolos e morangos... Ainda bem que não são coisa de engordar ou ficava obesa! Ai, ai, ai, que coisa que eu tinha descoberto, para entrar no paraíso bastava abrir a capa e mergulhar por ele adentro, era a Esther Williams, nadava como uma verdadeira sereia entre as palavras!

Nos livros descobri amigos, viajei, insultei, amei, fui terrivelmente infeliz e soberbamente ditosa, fui sacana e Madre Teresa, descobri o Homem e descobri-me a mim; algumas coisas percebi desde logo, outras percebo agora e tantas ainda vou perceber com estas pequenas criaturas que em tantos formatos e cheiros (porque cada livro tem um cheiro) me enchem a vida e as carteiras (e muitas vezes me dão cabo das costas, porque alguns deles são pesados como o rai's parta); preenchi a vida e deixei que ela me preenchesse! 

Os livros tornaram-se uma paixão, companheiros inseparáveis, objectos que me definem e que por mim são definidos, demónios que às vezes te atormentam em deliciosos infernos, anjos que te iluminam por dentro, humanos que te abraçam, desiludem, carregam, apoquentam, abandonam, te fazem melhor ou pior pessoa, consoante o lado para que estão virados, se para o nascer ou para o pôr-do-sol.

No caminho da vida, graças ao senhor, ou à senhora, ou a Ganesha, sei lá eu bem, descobri, encontrei e amo, pessoas a sério, amigos, companheiros, "palhaços" que comigo apalhaçam e fazem da vida coisa séria; não me deixei ficar só pelas páginas inventadas da vida, escrevi e escrevo a cada dia parágrafos no meu livro dos dias a cada passo que dou nas estradas; escrita maravilhosa esta em que nunca sabes o que a caneta do destino vai sublinhar a seguir, e sou feliz onde estou, com quem estou e com quem sou, com a perfeita noção de que só nos livros podes espreitar a página final (coisa que nunca faço; custa-me sempre  tanto chegar ao fim de um livro, que me enche as medidas, que espreitar as páginas finais não era matá-lo a ele, mas sim a mim). 

No entanto, os meus fieis companheiros de capa e contracapa continuam a encher-me as prateleiras e a cabeça de "doçuras", sem um livro para ler sinto-me nua, manca e zarolha; seria impossível desistir desta relação de silêncios e intimidade que partilho com alguns dos livros que leio, daquela sensação de perda quando as páginas se fecham às palavras e o livro se acaba; desistir das ânsias que acontecem a cada virar de página seria desistir das ânsias de viver; desistir das gargalhadas sonoras que às vezes me provocam e das quais só nós dois sabemos a razão seria mesmo desistir das gargalhadas que dou na vida "real".

Abençoados sejam os senhores e as senhoras que sabem pôr a palavra falada em escrita, abençoadas as criaturas que inventaram as letras em papel, esse veículo maravilhoso onde se expressam as almas humanas; abençoado o senhor Guttenberg, que ainda por cima ajudou a acabar com a Idade das Trevas; abençoadas as bibliotecas; abençoado seja também o vinho tinto que tão bem acompanha uma leitura; abençoados sejam os livros, Ámen!!!


I find television to be very educating.  Every time somebody turns on the set, I go in the other room and read a book.
Groucho Marx 

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Edward Steichen

 There is a light in the darkness... e o trabalho do Senhor Steichen prova isso mesmo; entre romanticas e negras estas fotos provocam um arrepio algures entre o desejo e angustia...